julho 29, 2003

Inícios...

O início é sempre uma boa altura - nem que seja para corromper o que se pretende.

Terminei - há uns dias - um livro sobre linguagem. Chama-se The Language Instinct e fala sobre a capacidade inata de qualquer criança aprender, com uma eficiência impressionante, a linguagem dos pais. Para além de questões mais técnicas, o livro foca um ponto relevante - o ser humano (felizmente) não nasce como um quadro em branco onde se pode escrever o que se quiser através da educação. O código genético determina um conjunto de potencialidades que a educação e o ambiente (reprimindo ou expressando) acabam por moldar. A linguagem é uma dessas capacidades.

Um exemplo curioso: o livro relata que nas situações em que um conjunto de pessoas é deslocado geograficamente para um local estranho no meio de outras pessas estranhas (a construção dos caminhos-de-ferro americanos no Século XIX, por exemplo) acaba por nascer um linguajar (a que os linguistas chamam "pidgin") que serve como uma ferramenta de comunicação simplificada. Porém, esse "pidgin" não é uma linguagem, não possui uma gramática estruturada, não permite discursos ou argumentos complexos. No entanto, quando nasce a 2ª geração, as crianças não só aprendem o "pidgin" como o elaboram, criando, entre elas, uma verdadeira linguagem baseada no vocábulo envolvente. Uma linguagem gramaticalmente tão rica como as linguagens estabelecidas (o vocabulário é outra história) e que normalmente chamamos crioulo. Um exemplo simples e poderoso de alguns dos mecanismos inerentes ao nosso cérebro.

1 comentário:

Anna disse...

que fantástico isso. Pensar como um traço organiza e desenvolve um sistema, um gesto instaura uma tecnologia. Inspirador o acaso me trazer por aqui. Estou terminando minha tese, escrevendo sobre o corpo. Eu com o corpo doendo, pensando em Michel Serres que diz que se se quer escrever bem temos de se fortalecer as coxas.